terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Dolomita Dr. Kanyo - Tratamento

Modos de Usar a Dolomita na Terapêutica

A rocha dolomítica, rica em cálcio e magnésio, contém também silício e outros minerais presentes na argila e outras terras medicinais. Seu uso na geoterapia tem proporcionado resultados surpreendentes; ela tem sido empregada de várias maneiras:


Utensílios:

Dolomita em pó
Água
Vasilha de vidro ou louça
Colher ou espátula de pau ou plástico
Pincel
Filme de PVC

Procedimento:

Por uma quantidade de pó na vasilha de acordo com a região a ser tratada, e ir adicionando a água aos poucos até formar uma pasta homogenia.


Aplicações:

Membros inferiores e superiores; Afecções edemas, flebites, varizes, contusões, furúnculos, irisipela, abcessos e ulceras varicosas.




Aplique com um pincel a mistura de DOLOMITA DR. KANYO em toda a região a ser tratada.



Envolva a área tratada em filme de pvc sem pressionar bruscamente para não prejudicar a circulação sanguínea.



Pode-se também usar a mesma pasta para região dos pés e mãos colocando-a em um saco plástico, amasse o saco para melhor acomodar a pasta e envolva-o nos pés.



Ou da seguinte forma:
Passando a pasta diretamente no pé e em seguida envolver em um saco plástico proporcional ao pé.





Artrose, artrite, contusões, torções, afecções, inflamações, edemas.
Aplique em toda a região a ser tratada e envolva em filme pvc.





Mãos:
Artrite, artrose, fungos nas unhas, rachaduras, psoríase etc.
Aplique nas Mãos e envolva em saco plástico e prenda com fita adesiva ou faça pasta, coloque no saco plástico e envolva-o na mão e alise espalhando por completo.




Braços:
Artrite, artrose, reumatismo, osteoporose, psoríase etc.
Aplique em toda a região a ser tratada e envolva em filme pvc.



Fazer o Cataplasma:
coloque tecido hidrofílico sobre uma bandeja e adcione pasta espalhando uniformemente na proporção da área a ser tratada.





Dobre o tecido hidrofílico e coloque na região a ser tratada.




Coluna:




Abdômen:
Aplicar o cataplasma e envolver uma faixa para fixar.


Temperatura:

A pasta pode ser aplicada fria, morna ou quente. Quando o local estiver febril inflamado ou congestionado deve-se aplicar frio para refrescar.
O tratamento frio visa não somente refrescar quando tiver febril, mas também provocar um aquecimento do corpo pela estimulação de trocas orgânicas.
Em Pacientes debilitados cujas reservas orgânicas estejam insuficientes não se deve aplicar frio. De um modo geral, a aplicação não deve ocasionar aborrecimento ou sensação desagradável.
Num dia quente pode-se usar uma aplicação fria, porem em dias frios devera ser aquecido.
Um cataplasma frio ajuda descongestionar um órgão debilitado, enquanto que para uma cólica de vesícula será necessária uma aplicação quente.
No baixo abdômen, onde ocorrem freqüentes fermentações com elevação de temperatura é necessário frio. Em outros casos como cistite, cólicas menstruais, torna-se necessário usar quente.

Como Aquecer:

Aquecer a água a ser misturada na Dolomita ou em banho-maria.
Obs.: aquecer somente a parte a ser utilizada no momento.

Duração:

O cataplasma pose ser aplicado pelo menos duas horas ou a noite inteira, exceto em caso de febre ou algum desconforto. Pode-se aplicar uma ou duas vezes ao dia dependendo do caso.
Deve-se procurar o horário mais propício para cada paciente, sendo que as aplicações no tórax e abdômen não devem ser logo após as refeições.
A duração e a quantidade de aplicações irão depender do problema a ser tratado, da extensão da are afetada, das reações do paciente, etc.
Quando vai se tratar um órgão interno (fígado, rins, estomago, etc.) pode-se deixar o cataplasma por no mínimo duas horas.
Se a aplicação tem em vista revitalizar um órgão ou ajudar a reconstituir tecido ósseo desclassificado (vértebras etc.) é preferível deixar a noite toda desde que isto não venha a trazer incômodo ao paciente.
Quando se trata de um abcesso ou uma ferida com secreção purulenta, é necessário trocar mais freqüentemente.
Obs.: É recomendável aplicar um óleo ou hidratante após aplicações mais extensas para evitar o ressecamento da pele.

b) EM PÓ: a dolomita pode ser pulverizada e espalhada como talco ou aplicada em forma de cataplasma seco.

c) COMPRESSAS: Duas colheres de sopa para um litro de água quente ou fria conforme o caso, molhar e torcer levemente a toalha e aplicar na região afetada. Cobrir com um pano ou toalha seca. O tempo de aplicação é variável conforme o caso, sendo que os cuidados e indicações do uso da compressa são semelhantes a do cataplasma.

d) BANHOS DE BANHEIRA, BACIA, BANHEIRA DE TRONCO OU HIDROMASSAGEM: os banhos de águas e lamas ricas em minerais têm sido muito divulgados na Europa e na América especialmente desde o século XVlll Recentemente o banho com dolomita está se tornando cada vez mais difundido nas clínicas e mesmo nas residências devido ao seu fácil manuseio e seu alto teor de cálcio e magnésio. Coloca-se 250g de dolomita para cada 10 litros de água. A temperatura e a duração do banho variam conforme o caso.

e) BOCHECHOS E GARGAREJOS: uma colher de chá de dolomita para meio copo de água.

Reações
A dolomita, assim como as outras terras medicinais, podem eventualmente provocar reações adversas no início do tratamento, pois o organismo tenta eliminar as toxinas quando esta é aplicada. Como exemplo pode surgir erupções na pele, surgimento de secreções purulentas, dores, porém, estas reações devem ir desaparecendo conforme segue o tratamento. No caso de úlcera varicosa, esta pode no início até aumentar de tamanho, porém, é a reação do organismo na tentativa de eliminar o material prejudicial.
Se a dor for muito intensa, deve-se começar com cataplasma mais fino, por períodos mais curtos de tempo e ir aumentando gradativamente.
O cataplasma usado não deve ser reaproveitado, pois se acha impregnado de substâncias tóxicas absorvidas do organismo. O tecido hidrofilico poderá ser lavado e reaproveitado.

USOS TERAPÊUTICOS DA DOLOMITA

Apresentamos aqui alguns casos para os quais a aplicação de dolomita tem demonstrado ser de grande utilidade e as maneiras de aplicação para cada caso:
a) Processos inflamatórios:
Para amigdalites, faringites, laringites e outras inflamações da garganta, aplicar cataplasma e fazer bochechos com água de dolomita duas ou três vezes ao dia;
Para gengivites, massagear de leve com o pó ou envolver o pó em uma tira de não tecido e aplicar sobre a gengiva por uma hora e meia ou mais ou durante a noite.
Para artrites, bursites, gota, reumatismos, aplicar cataplasmas nas áreas doloridas e tomar três vezes ao dia.
Para cistites, nefrites , aplicar cataplasmas quentes no local.
Para gastrites - aplicar o cataplasma e tomar duas vezes ao dia com o estômago vazio;
Para enterites, colites, se a área abdominal estiver quente, aplicar frio ou ligeiramente morno e tomar duas vezes ao dia.
Para flebites aplicar cataplasma duas a três vezes ao dia;
Para otites colocar cataplasma ao redor do ouvido e nuca.
Para prostatites pode-se aplicar cataplasma morno e deixar durante a noite.
Para sinusites, colocar o cataplasma sobre o nariz.
Para tendinites: aplicar cataplasma
b) Estados febris:
Colocar o cataplasma na região abdominal. Em casos de temperaturas mais elevadas e persistentes, aplicar também na cabeça e nas plantas dos pés. Troca-se quando aquecer. Pode-se também fazer uma pasta com aproximadamente 500mg ou mais de dolomita e espalhar pelo corpo todo e deixar pelo menos 30 minutos. À medida que vai secando, pode-se umedecer com água ou aplicando mais pasta, e banhar-se em seguida. Esse tratamento é indicado também para febres remitentes.
c) Traumatismos e dores musculares:
Para contusões, luxações, hematomas, câimbras, lombalgias, usa-se em forma de cataplasmas e compressas. Para os atletas quando sofrem dores musculares após intensas atividades físicas, tem sido muito benéfica a aplicação de cataplasma de dolomita, aliviando a dor e aumentando a elasticidade muscular.
Aqueles que lidam no computador por tempo prolongado, podem mergulhar as mãos numa pasta de dolomita por cerca de 1 hora ou mais, para o alívio da tensão nos músculos das mãos.
d) Osteoporose:
Cataplasmas nos locais doloridos e tomar três vezes ao dia.
e) Afecções dermatológicas:
Para abcessos, furúnculos, panarício, picadas de insetos, erisipelas, herpes, antraz, aplica-se o cataplasma.
Para eczemas, escoriações, assaduras, varicelas, pulverizar a dolomita na área a ser tratada.
Para queimaduras, colocar de imediato uma pasta fria de dolomita e manter até aliviar a dor em queimação. Para queimaduras mais intensas, aplicar o cataplasma frio contínuo, renovando freqüentemente ou pelo menos três a quatro vezes ao dia.
Para pruridos e edema dos membros inferiores pode-se colocar cataplasma ou colocar a pasta de dolomita em um recipiente e mergulhar os pés por cerca de 30 minutos ou mais.


Para eliminar manchas, cicatrizes aplicar a máscara e o creme hidratante da linha cosmética da Dolomita Dr.Kanyo. Repetir três vezes por semana. Esta aplicação limpa e suaviza a pele e ao mesmo tempo ajuda a eliminar toxinas.
f) Problemas ginecológicos:
Para cólicas menstruais: aplicar cataplasma morno de preferência à noite ou uma vez ao dia durante 10 dias antes da menstruação.
Para nódulos nas mamas, rachaduras, flacidez, e estrias aplicar o cataplasma.
Para cistos de ovário, útero - aplicar cataplasma no baixo abdômen, exceto nos períodos de menstruação.
g) Para hemorróidas: cataplasma local banho de assento com dolomita.
h) Para varizes: cataplasma local.
i) Para úlcera estomacal, duodenal, intestinal: ingestão três vezes ao dia.
j) Aftas: fazer bochechos e aplicar o pó diretamente sobre a afta.
l) Higiene dental: escovar o dente com pó ou pasta de dolomita ocasionalmente.
m)Insônia, irritabilidade, stress : cataplasma na nuca e na cabeça, banho de imersão morno com dolomita.

Fonte: http://www.stellca.com.br/

3 comentários:

sandra disse...

Gostei muito das informações, sugiro que mantenham atualizadas.Muito obrigada.

Marcia disse...

Gostei muito do seu blog. Se desejar conhecer o meu, o endereço é www.medicinanatural.blogspot.com.

Fabian disse...

Muito legal o artigo, parabéns!
Eu utilizo a Dolomita da Laszlo. laszlo.com.br